Projeto Ruy Gardnier

Perfil não-oficial com críticas de Ruy Gardnier na revista "Contracampo" e no jornal "O Globo".

Favorite films

Don’t forget to select your favorite films!

Recent activity

All
  • Suburban Angels

  • Extremes of Pleasure

  • Onde Anda Você

  • Escape from New York

Recent reviews

More
  • Suburban Angels

    Suburban Angels

    A metáfora materna está em todos os lugares de Anjos do Arrabalde. Inicialmente no subtítulo do filme – As Professoras (sabendo-se que a professora é uma segunda mãe) –, mas depois em todos os lugares: a relação que Betty Faria tem com o irmão, deficiente mental; a relação que mantém Irene Stefânia com Vanessa Alves; e sobretudo as homenagens cinematográficas a Luís Sérgio Person (nome da escola) e José Carlos Burle (do hospital). Anjos do Arrabalde retrata o mondo cane…

  • Extremes of Pleasure

    Extremes of Pleasure

    O isolamento geográfico é um artifício que se usa para esmiuçar as diferenças individuais. Tchekov, Nelson Rodrigues, Godard... Em Extremos do Prazer, Reichenbach enclausura sete personagens numa casa de campo para trabalhar um tema que lhe é muito caro em seus filmes femininos: a opressão física, intelectual e psicológica do homem sobre a mulher, a utilização da mulher antes como joguete sexual do que como uma individualidade – e nisso funciona sua adoração pelo cinema japonês de um Mizoguchi ou…

Popular reviews

More
  • Escape from New York

    Escape from New York

    (Contracampo #35)

    John Carpenter, irreconciliável da América

    1. É puramente anedótico, mas não deixa de ser relevante: em Fuga de Nova York, um avião choca-se com um prédio, muito perto do World Trade Center. Não são terroristas muçulmanos, mas americanos que seqüestram o avião presidencial (o famoso Força Aérea Um) para protestar contra o estado meta-fascista dos Estados Unidos da América do Norte. Pois bem, do regime o filme não nos informa muito, mas sabemos que a ilha de Manhattan,…

  • Crash

    Crash

    (Contracampo #8)

    Crash foi um filme muito pouco visto, mas principalmente muito mal visto. Tudo que já se falou dele não resvala na mediocridade, antes chafurda nela. Falou-se que era um filme publicitário, que era soft-porn para pseudodepravados ou tentativa de chocar donas de casa do meio-oeste americano. É claro que, sob esse pressuposto, Crash não tem nada a acrescentar a quem assim o vê. Mas agora é hora de parar de tomar as nossas primeiras impressões, tão costumeiramente errôneas,…