Shame

Shame ★★★★

Mesmo com o medo de ser colocada no mesmo grupo de mulheres 'eu-amei-por-causa-do-nu-frontal-do-lindo-do-Fassbender', devo admitir que é ele a chave de Shame. Ele explora os aspectos mais escabrosos e mais torturantes da vida de Brandon com tanta emoção e ardor que chega a ser frequentemente desconfortável ser uma testemunha de tudo - o que confirma que McQueen é um cineasta com um olhar inflexível e microscópio sobre o mundo. O que também é chocante sobre Shame é a vulnerabilidade masculina em seu extremo, a fraqueza, a extrema tristeza masculina que vemos na tela. A maioria dos filmes simplesmente não fazem isso. A maioria dos filmes, ao contrário, se preocupam além da conta em proteger o ego masculino. Eu não sou nenhuma fã de McQueen, mas aqui ele encontra uma tensão requintadíssima entre um irmão querendo se desconectar e uma irmã que anseia por conexão. Ele faz de Shame um filme que você não só assite; ele faz de Shame um filme que você precisa sentir.